sexta-feira, 22 de junho de 2012

Cinco anos de Itália

Hoje faço 5 anos de Itália. Vôou. Ao mesmo tempo, a saudade faz passar lentamente, retarda os fatos. Mas cheguei aos 5. Give me five! Cheguei em junho. Já tava muito quente. Peguei a bolha africana. Peguei neve. Não peguei a gripe suína. Tirei a carteira de motorista. Tirei o passaporte. Ainda não tirei a cidadania. Apesar do tempo, o olhar das pessoas quando percebem que sou estrangeiro é o mesmo. O meu italiano é o mesmo (na minha opinião). A minha esposa é a mesma. Aprendi a comer verduras e legumes. Aprendi os tipos de pasta. Não aprendi a beber vinho e nem a jogar (gratta e vince). Não aprendi o dialeto. Trabalhei, fiquei em cassa integrazione e desempregado. Passeei e viajei dentro e fora da Itália. Pena que o tempo era curto. Mas o tempo foi longo para o blog (um post por semana). Registrei um pouco do que vi, vivi e venci (e perdi também). Do que gostei e não gostei. Do que é para elogiar e do que é para ter vergonha. Novos sabores, novos costumes e novo modo de pensar. Enfim, até um novo post.

Vibrações positivas para o verão na Puglia

Uma pesquisa feita com 500 operadoras de turismo de Puglia mostra que o verão de 2012 será positivo. O número de reservas parece estável em relação aos últimos dois anos, em alguns lugares, como Salento, é superior. As reservas estão já em 40% o que é uma surpresa. Já que as reservas aumentam radicalmente nas últimas semanas antes das férias.
Com toda essa publicidade espero que o investimento em estrutura e organização também seja feito ou a Puglia vai servir como última opção (por falta de opção) para aqueles que querem e podem gastar nas férias.

Praia de Bari no jornal americano




Depois de Promenade de la Croisette em Cannes, Copacabana no Rio de Janeiro e Costa del Sol na Espanha, chegou a vez de “Pane e Pomodoro” em Bari, a praia dos bareses. O "New Yorker" publicou uma matéria sobre a praia da cidade de Bari com imagens de Gabriele Micalizzi, fotógrafo barese. Como diz o jornal: "tra kitsch e spontaneità assoluta".

http://www.newyorker.com/online/blogs/photobooth/2012/06/gabriele-micalizzi-pane-e-pomodoro.html

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Solstício de verão na catedral de Bari


Hoje, 21 de junho (dia do solstício de verão), na Cattedrale di Bari, na Bari vecchia, às 17h10, os raios de sol passaram pela rosácea e se projetaram sobre a rosácea que está no chão da catedral. Este fenômeno acontece a cada mil anos e porque a catedral foi construída virada para o ocidente. Virou um evento religioso, turístico e também artístico com espetáculos de dança, música e literatura. Coincidência ou não, foi o dia no qual eu parti do Brasil para a Itália (5 anos atrás). Mistérios do universo!

Viagem pela Itália

A minha grande viagem à Itália foi há 6 anos. Um dos roteiros famosos é o roteiro do 7: Milano, Verona, Venezia, Bologna, Firenze e Roma e uma cidade a escolha (Torino, Padova, Napoli, Assis etc) que esteja, mais ou menos, no percurso. A minha idéia era otimizar o tempo e gastar pouco, claro. Pelos preços dos B&B e das passagens e os horarios dos trens concluí que valia mais a pena definir três bases de apoio e de lá conhecer  cidades mais famosas (fazendo bate-volta no mesmo dia).
Cheguei em Roma (do Brasil) e parti direto para Padova. Dormi no trem e cheguei à primeira base de manhã cedo. Dois dias para conhecer Venezia e um dia para cada uma das outras cidades (Padova, Milano e Verona).
Firenze foi a segunda base por 9 dias. O preço do B&B era realmente fantástico e valeu muito a pena. Cinco dias em Firenze e um dia para cada uma das outras cidades (San Gimignano, Siena, Pisa e Bologna).
A terceira e ultima base foi Roma por 5 dias. Indimenticabile!

Carta di Soggiorno e Cittadinanza

O meu Permesso di Soggiorno está chegando ao fim. É melhor começar agora (ou talvez seja já tarde) para providenciar os documentos para a "Carta di Soggiorno" (longo período). No tribunal, os certificados "Casellario Giudiziario" e "Carichi Pendendi". No comune, o "Stato di Famiglia" (autocertificazione) e "Idoneità Alloggiativa". A burocracia é total. A questura tem a possibilidade de verificar tudo, mas mesmo assim temos que refazer todos os documentos e até receber a visita do vigile para o certificado di idoneità alloggiativa. Além das fotocópias do "Passaporte", "Permesso di Soggiorno" atual, "CUD" e "Carta d'Identità". Tudo vai dentro do kit "Richiesta di Rilascio/Rinnovo del Permesso/Carta Soggiorno per cittadini Stranieri" (com a faixa amarela) que deve ser retirado e enviado através da Poste Italiana. Pagam-se uns 80,00 euros entre taxas, marca da bollo e custo. Depois é torcer para dar tudo certo.
A minha outra possibilidade é iniciar o pedido de "Cittadinanza". Na minha opinião, a cidadania me daria mais liberdade para viajar e (um pouco) menos de burocracia. Fazer concurso público é uma coisa que não passa pela minha cabeça. A cidadania é mais cara. Leva mais tempo. Do Brasil, são necessários a "Certidão de Nascimento" e o "Nada Consta" (traduzidos e legalizados). No Rio, a tradução custa R$ 100,00-150,00. A legalização deve ser agendada no minimo três meses antes (hoje: até o dia 15 de setembro tudo agendado). Os outros documentos são: "Titolo di Soggiorno", "Atto Integrale di Matrimonio", "Certificado di Residenza", "Stato di Famiglia" e os certificados "Casellario Giudiziario" e "Carichi Pendendi". Só a cidadania custa 200,00 euros. Depois é só esperar (mais do que já se esperou).

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Carne em Triggianello

Um dos melhores lugares "relação custo-benefício" para comer carne (e pizza) é em Triggianello, que é uma fração de Conversano (BA). O lugar se chama Braceria da Matteo. A cidade (se podemos chamar de cidade) tem uma igreja, uma praça e a braceria. A braceria prepara vários tipos de enroladinhos de carne (com bacon, pimenta, frango, linguíça etc), além das peças tradicionais. O ambiente é muito simples e grande. Ás vezes um pouco barulhento. Recomendo muito.

Sanduíche com 5 carnes

Cada vez que vou ao Burger King tento me superar. Acrescento mais uma fatia de carne no sanduíche. Ontem pedi um tripple whooper (obviamente 3 carnes) + 2 carnes (além da batata e coca). Tava na fase 5. E consegui. Sou maluco, doente, idiota... eu sei. Quando cheguei na metade do sanduba, já estava cansado de mastigar. A carne não tinha mais gosto (nem lembro se tinha antes). Bom, é isso. Idiota e desnecessario...eu sei. Depois dessa, vou passar a coroa adiante.

Pizza de maconha


Em Grottaglie (TA), a Pizzeria Piccola Rudiae inventou (talvez em Amsterdã já exista) a pizza alla cannabis. A farinha utilizada é feita da cannabis sativa e é considerada dietética (pouco carboidrato) e rica em antioxidante e  proteínas. É a pizza dos dieteiros, atletas e maconheiros (hehe).

Vilas medievais da Puglia

Matéria do site www.viajesalpasado.com sobre a Puglia.

 
O viajante começou uma longa estrada para a Itália desconhecida. De Nápoles para La Puglia. Mais 500 Quilômetros de carro para atravessar paisagens que estão fora da rota turística tradicional. Estamos indo na Itália, mais rural, ligado ao mar e longe das hordas de turistas estrangeiros. A Itália dos primeiros assentamentos gregos, de refeições feitas em casa, das rochas e Moody Blues de praias, de masserias (casas de grande encanto), Mediterrânico, sem. A meta é chegar aos calcanhares de "Boot" e veja o que esconde o local onde os italianos vão no verão. Não há câmeras em todos os lados no resto da viagem; Itália vai, maiúsculas.
O caminho é longo para a auto-estrada (tem que pagar portagens vários, mas o preço não é elevado). Havia outras opções como mosca para Bari (A capital da Puglia), mas o viajante decide atravessar a parte sudeste da península itálica e vire para o também conhecer a área em torno de Nápoles. Halfway, e na Puglia, em três populações, Barletta, Trani y Molfetta, de vocês já ouviram. Ter tempo para parar lá na virada (não sei, então, que deverá enfrentar uma das mais belas aldeias que você já viu na Itália).
Duas horas mais tarde atinge o alojamento seleccionado a partir de Espanha, o Pand'Amuri fazenda, e Specchia. Existem dezenas de casas como esta em toda a região de Salento (o calcanhar). É importante para reservar um lugar no tempo um destes alojamentos, porque algumas casas estão cheias de charme, mas os lugares são limitados. A masseria é um edifício de "agriturismo": edifícios antigos reabilitados, muitas vezes com sua própria história e aninhado em lugares calmos e. Borgo Cardigliano satisfaz a descrição; tem sua própria igreja, piscina e restaurante, embora possa haver acomodações mais pitorescas. Eu aconselho você a procurar on-line e escolher as várias opções.
Espelho é uma pequena vila localizada no coração do Salento. A meio caminho entre o Jônico e Adriático. A cidade mantém o charme da Itália medieval: inclinadas ruas estreitas que levam à Praça Velha, em que há uma bonita igreja, Câmara Municipal e alguns pequenos restaurantes onde você janta assistindo a rede de ruas e a lenta passagem do tempo com a imagem dos moradores mais velhos inevitável que deixam suas cadeiras para a porta de suas casas para assistir as idas e vindas de outros. O preço de um jantar, com vinho de Salento, um dos mais baratos na Itália e melhor que ele provou o viajante na terra, não pode exceder em qualquer caso 60 euros duas pessoas (Eu começo a ser em torno de 30). Alimentos, e ter tempo para verificar o viajante durante a semana vai acontecer nesta terra, Delicioso, casa e sempre com um ótimo preço.
Em primeiro lugar saber o viajante decide o, famoso entre os italianos, praias da região de Salento. Em primeiro lugar, para Gallipolli, uma estância turística a partir da qual começam a viagem através das águas do Ionian. Nesta parte das praias da península tem areia branca e alguns estão cheios de pessoas. Não se desespere, devemos olhar para o carro e escolher lugares menos lotados. Alguns "marinha" para ver desvios nos sinais de trânsito são entradas de mar pequeno naquela cadeira e guarda-chuva para pagamento privada. Boa escolha, uma vez que há menos pessoas e gostava de um excelente dia de sol e mar. Em Torre Mozza, mais ao sul, direção de Santa Maria Leuca (ponta do calcanhar) há uma bela enseada de rochas em que parar para o almoço. No entanto, minha recomendação é o carro viajando em várias praias e escolher um que eles gostam.
De Santa Maria de Leuca-bela cidade- norte, a estrada da costa que leva a uma paisagem diferente deixa Otranto. O mar Adriático é claro, de cores diferentes e enseadas rochosas. Seria algo parecido com as melhores praias nas Ilhas Baleares ou a Costa Brava, se você quiser uma referência próxima. Precisa entrar andar alguns metros e toalhas colocando entre as pedras, mas a água limpa vale o esforço. Aqui, entre as cidades de Marina de Porto Tricase Novaglie e alguns restaurantes perto do mar, onde eles comem deliciosamente (em Espanha seria algo parecido com um chiringuito).
Otranto e Lecce
Além do magnífico litoral de Salento, o viajante vai visitar duas cidades históricas. O primeiro, Otranto, é uma surpresa chocante. Cidade Murada, ligado ao mar, com um pequeno porto em suas paredes e dezenas de ruas estreitas cheia de pequenos restaurantes e lojas. Um lugar perfeito para uma noite fora para uma bebida nos bares que estão na mesma parede, vista para o mar. Pôr do sol no porto, o sol caindo sobre a cidade velha, O Alarm Clock é perfeito para começar a desfrutar da noite agitada da cidade.
Lecce, no entanto, é a história ea arte em sua forma mais pura. Conhecida como a Florença do sul, A cidade possui um importante património artístico, está sua barroco. A lenda diz que foi fundada na época da Guerra de Tróia, então conhecido como Sybar. A ascensão da cidade veio no século XV, quando estava sob o domínio espanhol. Você pode ver um anfiteatro romano e uma coluna (cidade símbolo) o segundo século dC, ea Piazza del Duomo di Napoli e Porta. Todo o centro histórico merece uma visita de lazer, pelo menos, um dia.
O viajante, após os primeiros três dias de viagem em toda a região continuou, entende que Salento é um lugar especial, cultura arraigada de mar e campo seco Mediterrâneo. Itália parece haver outra: não nas grandes cidades, ou monumentos inevitáveis, mas todos formam uma perfeita calma e serena. Para os amantes do país transalpino é uma obrigação.
Trani. A beleza perfeita
No último momento, frente um dia decidiu retornar a Nápoles para visitar três cidades medievais que temos falado sobre amigos italianos. Trani, Molfetta y Barletta Estás 30 quilômetros ao norte de Bari, a meio caminho entre Nápoles e Salento. Molfetta e Barletta são dois sites com um belo histórico, rica em história e belas praias. Trani, Eu visito Traniúltimo, simplesmente, uma jóia. Um lugar cheio de charme, obsoletos ruas e edifícios de pedra que levam inevitavelmente à catedral, data de 1.150. Imagine uma única torre de altura, sujeita a um arco, conectado a um navio com uma roseta na sua "frente" e que os tons de uma passarela de pedra pequena. O mar bate debaixo de suas fundações, esqueleto deixa atrás dela uma pequena estrada em uma curva que esconde um pequeno porto, com uma outra igreja que marca a entrada para o sul. Navios contra, pesca e de recreio, é uma linha de pequenos restaurantes com velas em que gosto bom marisco fresco do mar. Só conhecendo Trani vale a viagem. É quase cartão postal perfeito. Então, e volta para Nápoles, o viajante se apressa em seus olhos uma série de imagens inesquecíveis.

Puglia: +10% export

A Puglia conseguiu aumentar em 10% suas exportaçõees. As grandes empresas da região são: Ilva (Taranto), Alenia (Foggia e Grottaglie), Merck (Bari), Fiat (Lecce), Bosch (Bari), Polimeri e Lyondel Basell (Brindisi). E são elas que puxam as outras empresas dando trabalho e um pouco de alento. Espero que seja uma retomada.

domingo, 17 de junho de 2012

Adelfia dividida


Adelfia (BA) é a união de dois feudos, Montrone e Canneto, separados por  poucos metros, entretanto as populações sempre tiveram muitas diferenças no que diz respeito as suas tradições, a sua história, e inclusive ao dialeto que não era o mesmo. Enfim, eram rivais. Em 1927, o rei Vittorio Emanuele III decidiu unir geral e chamou a nova cidade de Adelfia (do grego Adelfos = fraternidade), mas a rivalidade continuou e a população ainda permanece dividida em Canneto e Montrone.

Como não ser roubado

A Província de Bari produziu um panfleto para os turistas, em 5 idiomas, enfatizando a questão da segurança e ensinando como o turista deveria fazer para não ser roubado na cidade, através de desenhos que mostravam os tipos de roubos. Virou polêmica. Claro! A imprensa jogou no ventilador e a secretária de turismo da regiao retirou de circulação o tal folheto relembrando que a região está investindo fortemente no turismo da cidade com campanhas publicitárias em Moscou (de onde chegam milhares de turistas todos os anos), com a criação do Festival Russo em Bari, do Festival de Música de Verão, com a construção do novo Centro de Congressos, enfim, tantas ações positivas que poderiam ser prejudicadas pela atitude irresponsável do Governo da Província.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Martina Franca


Martina Franca (TA) foi fundada no Monte de San Martino pelos tarantinos fugidos dos sarracenos, no século X. O nome "Franca" vem das isenções fiscais. Na mesmo fase foram edificadas as muralhas com as torres de defesa, tornando-se feudo. O Palácio Ducale é hoje sede do Museu Naturalístico das Pianelle. O estilo barroco se revela palácios nobres e nas ruas do centro histórico, onde se chega pelas sua conservadas portas.

Piazza Mercantile


A Piazza Mercantile, no centro histórico, era o centro político e comercial da cidade medieval. O palazzo del Sedile (antiga prefeitura) e a coluna "della giustizia" são os símbolos da praça.

A cidade das esposas infelizes


Il paese delle spose infelici foi ambientada numa típica cidadezinha do sul (com toda sua problemática), o filme conta a história de Veleno e Zaza e a paixão deles por Annalisa, uma jovem enigmática que tenta o suicídio. O filme foi rodado em Martina Franca (TA), apesar de não fazer nenhuma menção.

A Itália não vive sem carro

A Itália é o país com a maior densidade automobilística da Europa. Mais de um carro para cada dois habitantes (61%), um total de 36.7 milhões de automóveis. Na Alemanha, 51%; Gra-Betanha e França, 50%; e Espanha, 48%. Nas regiões Umbria e Lazio chegam a 7 carros para cada 10 habitantes.
O País depende da indústria automobilística. O sistema de transporte público não existe ou é ineficiente, logo precisamos dos carros. Pagamos bollo, seguro e combustível. Mais dinheiro para o governo.

A família italiana

O italiano diz que tem uma ligação forte e única com a mãe e com a família. Tão forte que não existe em nenhum outro lugar do planeta. E é mesmo. Jantar de fim de ano dos amigos do trabalho. Um amigo, típico barese, leva ao jantar (repito: dos amigos do trabalho) a namorada, os pais, o cunhado com a esposa e o filho recém-nascido. O detalhe da noite é que resolveram comemorar o niver da mãe junto com os amigos do trabalho. Essa ligação é forte (sem noção) demais!

Praia de Cozze


A pequena Cozze é uma fração de Mola di Bari (BA). Situada entre Mola e Polignano a Mare. Uma ciclovia liga Mola à Cozze, considerada a praia de Conversano. A Focacceria Genovese é um point para saborear uma boa focaccia.

Onde se come melhor, segundo os italianos

Durante uma conversa com dois amigos, um dizia que em Paris se comia mal e, com convicção, que a melhor comida era feita pela mãe dele. Um outro amigo dizia que, certamente, a comida de Paris não era pior que aquela de Barcelona e que só em Puglia se comia bem.
Vamos com calma, Por que pensar que a comida dos outros é pior e não diferente?
Talvez seja porque a cozinha dos outros países não seja internacional, ou porque os produtos estangeiros não chegam à Itália, ou porque os italianos não querem saber de receitas estrangeiras, ou porque a Puglia não está em um outro país, ou porque a minha mãe não cozinha tão bem quanto a mãe do meu amigo.
De uma coisa eu tenho certeza: A Itália é onde se come melhor, segundo os italianos.

Puglia - Outros Postais


Vilas caiadas de branco, extensos campos de oliveiras, um mar azul, azul. A PUGLIA é uma bela surpresa. E uma outra Itália...

À medida que a A-16 quebra para o interior e vai avançando pela região da Campanha, na altura de Nápoles, a Itália dos cartões-postais vai ficando para trás. Sucedem-se longos descampados cobertos de verde e, ora aqui, ora ali, um vilarejo, um povoadozinho, e mais descampado. As placas deixam de mostrar nomes familiares, como Amalfi ou Salerno, para apresentar pontos de interrogação, como Foggia, Canosa, Andria. Cerca de 250 quilômetros depois o mar se descortina lá na frente, azul de doer. Chegamos à beira-mar da Puglia. Uma imensidão banhada pelas águas transparentes do Adriático, onde pipocam vilas caiadas e um mar de oliveiras centenárias que só acaba na areia da praia.
Deixe pra trás, nas primeiras curvas da estrada, todos os estereótipos. Estamos numa Itália diferente. Sem a beleza escancarada de Veneza, as grifes sofi sticadas de Milão ou os monumentos milenares de Roma. Embora apontada como "a nova Toscana" por revistas do mundo todo, a Puglia não tem as vilas medievais de pedra encarapitadas no alto das colinas, a arquitetura renascentista, as igrejas cobertas de afrescos. É uma outra Itália que os próprios italianos estão descobrindo agora. Com a promessa de virar a bola da vez. 
Antiga Magna Grécia, a região tem um passado de sucessivas dominações. Além de grega, já foi ocupada por venezianos, espanhóis e austríacos antes de retornar às mãos dos italianos de vez, no século 19. Toda essa história deixou marcas por todo canto, seja nas cidadelas muradas, seja nas fazendas fortificadas erguidas ao longo da costa. Hoje, é este cenário que está sendo ocupado aos poucos por hotéis de design, spas, clubes de praia da moda. Com a vantagem de que a Puglia ainda é um segredo bem guardado pelos italianos. E você jamais vai trombar com uma multidão de turistas ou uma frota de ônibus congestionando as ruas de uma vilinha.

O trecho que mais interessa está delimitado entre as cidades costeiras de Bari e Brindisi, interligadas pela rodovia E-55 num percurso de pouco mais de 100 quilômetros. Mas é ao sair da estrada e rodar sem rumo que as surpresas aparecem. A partir do norte, a primeira delas é Polignano a Mare, onde as falésias recortadas desenham praias idílicas. Na seqüência está Monopoli, com um simpático centro histórico de casas brancas e roupas nas janelas, onde a vida segue um ritmo lento. Dali para baixo belas praias se enfi leiram e só mudam de nome: Savelletri di Fasano, Torre Pozzelle, Marina di Ostuni. 
Daria para seguir viagem apenas pela costa, onde o trecho estreito de mar separa a Itália da Grécia e da Croácia e a brisa sopra tranqüila e quente. Mas vale desviar para o interior para conhecer outras duas cidadezinhas especiais. A primeira é Alberobello, famosa pelos trulli, um tipo de casa de paredes arredondadas e tetos cônicos. A maior concentração desse tipo de construção está lá - são mais de mil exemplares. A segunda é Ostuni, também conhecida como "a cidade branca". De longe já dá para ver o centro histórico todo pintado de branco, onde as construções geminadas formam uma teia irregular de vielas e becos. Por todo canto que se olhe, velhas oliveiras de troncos grossos e retorcidos seguem até a linha do horizonte. Lá longe, uma pontinha do mar. A brisa que traz a maresia é só um convite extra para esticar um pouco mais.

Por: Rachel Verano | Foto: André Klotz
Matéria publicada em Viagem e Turismo


quinta-feira, 14 de junho de 2012

Kebab alemão na Itália


Kebab vem do persa "grelhado ou assado". Na Turquia, é chamado Döner Kebap (carne que gira), na Grécia Giros e no mundo Árabe Shawarma. A receita atual foi uma adaptação, nos anos 1960, ao gosto alemão, que depois se espalhou pela França, Inglaterra e Itália.
O fast-food étnico ou take-away turco é barato e é uma alternativa aos bigmacs e pizzas. As tiras de carne umas sobre as outras formam um cilindro vertical que na parte superior é colocada a gordura que durante o cozimento desce e impregna o kebab (gordura que baba, no meu entender). A minha primeira vez foi em Firenze. Picante e muito bom, mas eu nao tenho coragem de provar o churrasquinho grego vendido no centro do Rio.

Cinema na Puglia é lucro

Três vezes por ano as produções cinematográficas têm a possibilidade de obter um finanziamento da Região Puglia junto com a Apulia Film Commission para realização de projetos. Obviamente, utilizando a região como set e aumentando o turismo, reforçando sua imagem e, consequentemente, oferecendo mais oportunidades de trabalho. Para cada euro recebido da região se gastam 6 no territorio. This is a business.

Louco Locorotondo


Locorotondo (BA). O nome é louco. Do latim: Locus Rotundus (lugar redondo). Na Murgia dei Trulli, o território é recheado de parreirais, muretas, bosques, olivais e milhares de trullos. O branco do centro historico revela a arquitetura barroca, os pilares da antiga Porta Napoli e o portal do Palazzo Morelli. Muito interessante.

Tragédia na corrida de balões

Na costa da Puglia, pescadores encontraram os corpos de dois norte-americanos que desapareceram durante uma corrida de balões sobre a Europa que partiu de Bristol, na Inglaterra, em setembro, a mais antiga corrida aérea do mundo. A equipe vencedora é a que alcança o ponto mais distante a partir do local da largada.

Verão, calor e incêndios





Os incêndios são comuns no verão italiano, principalmente no sul, por causa das ondas de calor. Em 2011, a Puglia foi a região que perdeu mais áreas verdes com os incêndios. Mais de 2020 hectares. Às vezes o incêndio começa por acidente, mas há casos em que pessoas tocam fogo em florestas protegidas para poder construir no local.

Pergunta pro Cassano

Antonio Cassano, mais uma vez, falou uma das suas. Na minha opinião, uma polêmica armada pelo jornalista. Primeiro, o que tem a ver aquela "pergunta" com a Eurocopa (se existem gays na seleção italiana). Segundo, por que fazer aquela pergunta logo pro Cassano? Terceiro, porque colocaram o Cassano na coletiva. Conhecendo a figura, sabe que quando abre a boca vem bomba. O problema não é porque ele diz o que pensa, mas o que pensa e como diz.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Trani


Trani (Turenum, na época romana) é meta turística por excelência na Puglia, seja pela beleza dos seus monumentos, do seu porto e do seu centro histórico feito de pedras de Trani. As atrações são o duomo, o castelo federiciano que se ergue diante do mar tornando-se ponto de referência para os navegadores, o Palácio dei Dogi de Veneza e as sinagogas da Giudecca, que, no passado eram guetos e refúgios para os judeus.

Michael Jackson x Al Bano

Em 1992, Al Bano, um cantor (brega) pugliese, acusou Michael Jackson de plagiador, dizendo que a "Will you be there" (Dangerous 1991) era um plágio de "I cigni di Balaka" (1987). O álbum Dangerous foi retirado do mercado. Os peritos verificaram que uma sequência de 37 notas era a mesma nos dois refrões. Al Bano queria 5 bilhões de liras, mas depois da apelaçao ficou decidido que os dois tinham se inspirado numa canção popular americana "Bless You For Being An Angel" (sem copyright). Al Bano teve que pagar todas as despesas judiciais.

Rombo de 40 milhões

Em Bari, a Global Watch Industries, uma grande empresa do ramo da relojoaria com marcas como Chronotech, GF Ferré, Givenchy, Blumarine, Milan, Juventus e Sweet years, tem um rombo de 40 milhões de euros e dívidas com 600 credores, entre eles Briatore (amigo-sócio), Yespica e Satta. Um dos buracos no balanço foi feito com o casamento-espetáculo do dono da empresa, que custou 800 mil euros. Essa é a administração familiar?

Basílica de San Nicola


A Basílica de San Nicola, fundada em 1087, serviu de modelo para igrejas posteriores da Puglia. Baseada na arquitetura normanda, exibe uma fachada alta com torre e um portal com entalhes em estilo árabe, bizantino e clássico. As relíquias de San Nicola estão enterradas na cripta.

Bari entre as cidades onde mais se flerta

O jornal Toronto Sun publicou um ranking das cidades onde mais se flerta. Esse ranking é o resultado de uma pesquisa feita na web pelo Baddo. Pela primeira vez um país colocou 3 cidades entre as 10 primeiras. Em Bari, se flerta duas vezes mais que no Rio de Janeiro, Varsóvia e Praga; e muito mais que em Paris, Berlim, Londres e New York.
1. Atenas 
2. Moscou
3. Kuwait City
4. Baku
5. Tunisi
6. Kiev
7. Beirute
8. Roma
9. Torino
10. Bari

Pasquetta em Barletta

A programação foi ver uma exposição no Palazzo della Marra, almoçar e, quem sabe, dar uma passada no Castel del Monte que não é muito longe de lá.
Barletta, junto com as cidades de Andria e Trani, é capoluogo da província de Barletta-Andria-Trani (BAT). Reconhecida como "città d'arte" da região de Puglia pela sua beleza arquitetônica.


O Palazzo della Marra é um dos mais importantes exemplos de arquitetura barroca na região. Construído nos anos 1500 era de propriedade de uma importante família aristocrata. Atualmente, no primeiro andar realiza exposições e eventos e, no segundo, é a sede da Pinacoteca De Nittis.


O castelo de Barletta, uma construção normanda em forma quadrangular pontiaguda do século XI, serviu como pit-stop para os cavaleiros durante as cruzadas. Foi utilizado como depósito de armas, presídio militar e até bombardeado pelo couraçado austríaco Helgoland. Hoje é sede da biblioteca comunale, do museu cívico e da pinacoteca.
Nada mal para uma pasquetta com temperatura instável e pouca grana.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Le orecchiette: o clássico prato pugliese


Uma teoria diz que le orecchiette nasceram em Sannicandro di Bari (BA), durante a dominação normanno-sveva, entre os séculos XII e XIII. Uma outra diz que é di Provenza, onde se produzia uma massa seca (crosets) parecida com a atual orecchietta e depois levada à Bari. Quando chegou, chegou pra ficar. O pasta é feita a mão, pelas mammas e nonnas. O prato tradicional é com le cime di rapa (nabo). Tem o nabo pugliese e o napolitano. Nunca pensei que fosse comer nabo um dia. Prefiro le orecchiette com ragù. Esse è o prato clássico da Puglia.

Máfia é hoje o maior “banco” da Itália

Matéria da Epóca Negócios Online 

Máfia é hoje o maior “banco” da Itália 

A organização criminosa movimenta R$ 276,4 bilhões por ano em empréstimos a pequenos comerciantes e médias empresas 


O crime organizado é hoje a instuição que mais lucra na Itália, com um volume de negócios de mais £ 100 bilhões ao ano, o equivalente a R$ 276,4 bilhões. A informação é do relatório Criminality's Grip On Business (A Participação da Criminalidade nos Negócios), feito pela Confesercenti, uma associação italiana que reúne 270 mil empresas.

A situação é resultado, segundo o estudo, da crise financeira pela qual passa o país. Com a crise, veio a falta de crédito para comerciantes e empresários que passaram a recorrer à Máfia para conseguir empréstimos e manter ou salvar seus negócios. É a tradicional prática de agiotagem, com a cobrança de taxas de juros exorbitantes a empresas que são incapazes de honrar pagamentos tão altos.

De acordo o relatório, os vários grupos da Máfia na Itália têm um lucro de cerca de £ 116 milhões ao ano, um valor equivalente a 7% do PIB italiano. O documento afirma que “a cada minuto” uma atividade profissional ou comercial é diretamente afetada pelo crime organizado em todas as regiões do país, com um aumento significativo da atividade na capital Roma. Segundo o estudo, a cidade tem sido o principal alvo de quadrilhas do crime organizado, como  a Máfia siciliana, a Camorra de Nápoles, a calabresa N'drangheta e a Sacra Corona Unita, da região de Puglia.

Extorsão e intimidação são os métodos usados para extrair milhões de lojistas, restaurantes, cinemas, empresas de construção e milhares de outras empresas, enquanto os “padrinhos”, gíria usada pela Máfia para designar os chefes em suas quadrilhas, espalham suas atividades criminosas pelo país.

Marco Venturi, presidente da Confesercenti, descreve a Máfia como “o maior banco do país, com ativos líquidos de mais de £ 50 bilhões”. Segundo Venturi, como resultado de extorsão e agiotagem, mais de 190 mil empresas foram forçadas a fechar nos últimos três anos.

No ano passado, o grupo mafioso N'drangheta estava usando vários restaurantes famosos e bares de vinho ao longo da famosa Via Veneto, no centro de Roma, para lavagem de dinheiro, além de praticar a extorsão.

A agiotagem também era galopante nas cidades sicilianas de Catania e Palermo – bem como em Nápoles, no sul, e em Reggio. Aqueles que não conseguiram pagar suas dívidas foram submetidos à violência e intimidação por mafiosos.

O relatório aponta que os empréstimos a taxas exorbitantes se tornou uma forma fácil e lucrativa de ganhar dinheiro – em comparação com os meios mais tradicionais de tráfico, contrabando de armas, prostituição e jogos de azar.

Conheça os principais atores no mapa do crime organizado da Itália:

Máfia siciliana: Também conhecida como a Cosa Nostra, o grupo criminoso do século 19 ficou conhecido por ser retratado em filmes de Hollywood. Seu nome é agora um termo genérico para qualquer rede criminosa organizada, com estrutura semelhante

Camorra: A sociedade secreta da região de Campania é uma das organizações mais antigas, com os maiores criminosos da Itália.Ao contrário da Máfia de estrutura piramidal ao estilo 'Poderoso Chefão', os clãs da Camorra agem de forma independente, o que a torna mais resistente quando os chefes estão presos ou mortos

N'drangheta: Este grupo do século 19, da região da Calábria, é considerado uma das organizações criminosas mais poderosas do mundo, com uma notável capacidade de migrar para outros países, incluindo Argentina, Holanda e Austrália

Sacra Corona Unita: A mais nova das organizações criminosas, criada na década de 1970, o SCU é especializado em contrabando de drogas e tráfico de armas. Eles cobram uma espécie de pedágio de outras organizações criminosas para a passagem pela costa de Puglia, no sul-leste – uma porta de entrada comercial para países como a Albânia

Lançamentos recentes de não ficção sobre máfia

"Máfia Export" (Francesco Forgione, 2011, Bertrand Brasil) – De forma didática, o autor explica como as máfias italianas "colonizaram o Mundo". Mapas adicionais revelam as rotas do tráfico e a presença de diversas famílias mafiosas em praticamente todos os países.

"Honra Teu Pai" (Gay Talese, 2011, Companhia das Letras) – Reedição do clássico de 1971 que detalha o cotidiano de Joseph Bonanno, líder de uma das cinco principais famílias mafiosas de Nova York, que leva seu sobrenome, e as origens do clã.

"Os Últimos Mafiosos" (John Follain, 2010, Larousse do Brasil) – Narra a ascensão e queda do clã Corleonese liderado por Salvatore Riina, que promoveu um banho de sangue durante seu reinado na Cosa Nostra.

"Máfia" (Petra Reski, 2010, Tinta Negra) – A autora se debruça no caso conhecido como "Massacre de Duisburg" e na atuação da calabresa Ndrangheta fora da Itália.

"Novas Tendências da Criminalidade Transacional Mafiosa" (Alessandra Dino e Walter Fanganiello Maierovitch, 2010, Unesp) – O livro explica como os grupos criminosos mafiosos atuam globalmente, e livremente, movimentando bilhões de dólares por ano.

"Infiltrado" (Jack Garcia, 2009, Larousse do Brasil) – A história de um investigador do FBI que consegue se infiltrar na família Gambino, de Nova York, culminando na operação mais bem-sucedida da história da agência.

"O Traidor" (Jimmy Breslin, 2008, Larousse do Brasil) – A obra conta a história da máfia nos EUA com base no depoimento nos tribunais de Burt Kaplan, o traidor, contra policiais corruptos.

"Gomorra" (Roberto Saviano, 2008, Bertrand Brasil) – O jornalista, que atualmente vive sob proteção policial, descreve as operações e as atividades da Camorra, de Nápoles.

Le mamme di San Vito


A prefeitura de São Paulo doou um terreno aos polignanesi de sampa e ali eles criaram uma creche (de San Vito) onde as "mamma de San Vito" assistem 130 crianças por ano. Até hoje já passaram 18 mil. Essa associação comemora a Festa de San Vito na qual as senhoras de Polignano a Mare (BA) preparam e vendem pratos e produtos típicos durante as 14 noites de festa. O diretor Gianni Torres fez o documentário Le Mamme di San Vito.

Jesus na noite pugliese

Notícias desnecessárias... Jesus Luz(???) chegou à Itália para a sua turnê de shows como DJ(???). Vai se apresentar em uma das mais famosas boates do mundo, a Nikki Beach Club(???), em Margherita di Savoia (BT).

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Quem paga pode casar

Eu já tinha escrito sobre o business do casamento. Esse é mais um dado. Em Francavilla Fontana (BR), casamento na igreja custa 200 euros (170 a celebração + 30 para o organista). Tudo feito com um contrato com a assinatura do padre. O valor de 200 é quase o dobro da "oferta mínima" pedida (103 euros). Os fiéis protestaram contra o business do casamento. O padre respondeu que era uma polêmica estúpida.

Morte anunciada

Casal italiano, Salvatore De Salvo e Antonia, escreveu a políticos, entre eles Berlusconi (na época primeiro-ministro) e Vendola (presidente da região Puglia), a jornais, deram entrevistas que foram colocadas no You Tube a explicar a situação que a crise os tinha deixado. Cansados de esperar por uma resposta que nunca chegou, se suicidaram. 
Salvatore era representante de vendas. Tinha 64 anos e há sete estava desempregado. Antonia perdeu recentemente a casa onde vivia desde 1966. Desesperados e sem respostas, o casal reservou um quarto com vista para o mar num hotel de Bari e tomaram uma dose excessiva de medicamentos. Antonia morreu no local, mas a Salvatore não surtiu efeito. Pôs fim à sua vida no mar. O seu corpo foi encontrado por um pescador.


A praça point de Bari


A Piazza del Ferrarese o point de bari à noite. No século XVII era a porta de entrada da cidade, hoje é a porta de entrada da Bari Vecchia. De um lado o velho mercado de peixe e do outro a sala Murat.

Taxa de desembarque nas ilhas Tremiti


Quem desembarcar nas ilhas Tremiti (FO) terá que pagar 1,50 euro a mais sobre o custo do bilhete da barca ou do helicóptero, as duas maneiras para chegar às ilhas. Será eliminada a taxa de turismo (tassa disoggiorno). 

Roubos a bancos não diminuem em Puglia

Em 2011, os roubos a banco diminuíram em todo o país, menos em Puglia (ficou estável 72 como em 2010). De 2009 para 2010 teve um aumento de 44% enquanto a média nacional diminui 50% desde 2008.

Puglia e Grécia


Aumento de barcos que fazem Puglia-Grécia. A rota Brindisi-Igoumenitsa-Patrasso será diária e no verão com duas escalas semanais para a ilha grega de Corfù.

Bari vecchia atual

Motos que passam no meio das pessoas, roubos, poucos serviços aos turistas, sujeira e pouca manutenção. Bari Vecchia se revolta. A população e comerciantes reclamam do abandono e que o verão chegou e o centro histórico não tem condições de receber os turistas que passam pela cidade.

Volare na tv

A história de Domenico Modugno vai virar uma minissérie televisiva. Beppe Fiorello será Domenico e as locations serão Polignano a Mare (claro!), Bitonto, San Pietro Vernotico e as praias de Ostuni (Montalbano e Pilone).

domingo, 10 de junho de 2012

O branco de Ostuni





Desde 1800, em Ostuni (BR), a cidade branca, todos os habitantes do centro histórico pintam suas casas de branco (cal). É uma questão histórica. Diz-se que o inimigo se cegava com a luz que o centro refletia. Hoje é mais ligado à saúde, a cal é um potente desinfetante.

Gravina in Puglia (BA)


Gravina in Puglia (BA) é a sede do Parco Nazionale dell'Alta Murgia e tem em seu centro histórico um grande potencial turístico com uma arquitetura subterranea e grutas. A falta de manutenção e pouca valorização são os grandes problemas. Os restaurantes oferecem bons menus com produtos típicos.

Trens da/para Puglia

No verão, Milano terá mais trens chegando e partindo, enquanto a Puglia menos. Os trens noturnos diretos Lecce-Milano e Lecce-Venezia serão reduzidos e nova conexão em Bologna com freccia rossa (a mais cara). O trem noturno Taranto-Milano tem um ônibus que faz Taranto-Bari, depois um intercity com conexão em Bologna. Quem tenta comprar pelo site, apesar do link oferta/promocional, os preços são mais altos.

Masserie da Puglia


Pelas cidades da Puglia, principalmente as pequenas, é muito comum encontrar "le masserie" que eram grandes propriedades de terra da aristocracia e burguesia local, hoje utilizadas como restaurantes e hoteis de luxo.

Ajudinha extra-comunitária

Quando saía de casa para trabalhar (quando tinha um trabalho) cruzava com um jovem extracomunitario (como eu) que se posicionava na porta do supermercado para cumprimentar e pedir alguma ajudinha aos clientes. Quando passava por mim, falando ao celular, parecia um empresário. Detalhe, o celular era muito mais moderno que o meu. Antes do batente toma um café com cornetto, muitas vezes, nao pago por ele. O seu horário é o mesmo do supermercado. Já o vi muitas vezes dentro do supermercado até nos "bastidores". Soube que em um dia conseguiu arrecadar quase 150 euros (em moedinhas). No fim do dia, pega o trem e vai para a casa, como todas pessoas que trabalham. Não é o meu caso.

Mar de Salento


O "salento" ou a "penínsola salentina" é também conhecida como Tacco d'Italia. Historicamente Terra d'Otranto, por onde chegavam os comerciantes de Constantinopla e se partia para a terra santa. Compreende toda Lecce, Brindisi e parte de Taranto. O nome deriva da região "sale - sale-mare" ou seus habitantes, sallentini. Uma outra opção deriva dos cretesi que viveram ali e que vieram da Salenzia. É a zona mais grega da Puglia, a arquitetura mais barroca e o mar mais cristalino.

sábado, 9 de junho de 2012

Floresta Mercadante


A Foresta Mercadante tem 13000 hectares de área e se encontra em Cassano delle Murge (BA) e Altamura (BA). A floresta faz parte do Parco dell’Alta Murgia. Coberta de pinheiros é meta das excursões e passeios de um dia. Lugar ideal para piqueniques.

Puglia é a região mais barata para as férias

Nos dias de hoje, com crise, taxas e pouco dinheiro, a Puglia resulta a região mais conveniente para as férias em relação ao preço médio de hospedagem e restaurante. A pesquisa foi feita visando uma semana de julho para duas pessoas. Em Puglia, se paga para dormir e comer, em média, respectivamente, 425 e 32 euros; na Sardegna, 520 e 35 euros; Toscana, 520 e 37; e Umbria 500 e 35.

Em Puglia, 3 entre 10 sob a linha de pobreza

A média nacional é de 18.48%, no sul da Itália é de 32.92% e, na Puglia, 20% das famílias vive sob a linha de pobreza, isto é, com menos de 23.044 euros/ano (família de 5 pessoas) e 8.572 euros/ano (se solteiro). E mais, 20% das familias são realmente pobres, 11% são pobres e 12% a risco de pobreza, contra uma média nacional de 10.37%. A Puglia está em melhor situação, comparada com as outras regiões do sul.

Máfia pugliese no Brasil

A Polícia Federal (PF) diz ter desmantelado uma das principais quadrilhas de tráfico de drogas internacional que agia no país. 70 pessoas acusadas de integrar o bando haviam sido presas, entre elas um italiano que teria ligação com a Sacra Corona Unita, organização criminosa que atua na região de Puglia, no Sul italiano. O italiano já tinha sido preso quando acompanhava um carregamento de 273 kg de cocaína (pouco não?) no Porto de Itaguaí, no Rio de Janeiro. A droga, que iria para o Porto da Calábria, na Itália, estava escondida no meio de vasos de plantas ornamentais. Ele era um dos compradores organizava toda a remessa da droga para a Itália. Depois, viajava para a Itália, acompanhava toda a chegada da droga, recebia (o dinheiro) e voltava para o Brasil. Era o coordenador das atividades do grupo (Sacra Corona Unita) no Brasil.

Jogadores vendidos

O jornal La Stampa divulgou outras histórias provenientes das investigações do Ministério Público de Bari sobre as partidas e jogadores vendidos. De acordo com o diário, o ex-volante do A.S. Bari, o argentino Sergio Almirón, atualmente no Catania, reclamava de alguns dos ex-companheiros, dizendo que eles estavam "vendidos" nas partidas.
Além de Andrea Masiello, que foi suspenso pela Atalanta devido ao escândalo, há outros oito ex-atletas do Bari que estão sendo investigados: Daniele Portanova, Alessandro Parisi, Simone Bentivoglio, Marco Rossi, Abdelkader Ghezzal, Marco Esposito, Antonio Bellavista e Nicola Belmonte. Quase um time!

Restaurante na gruta


Encontrei uma matéria no Terra sobre um famoso restaurante em Polignano a Mare (BA).

Para muitos viajantes, a Puglia é a porta de entrada da Grécia, a partir do porto de Brindisi. Mas a cidade italiana merece mais atenção. Essa região pouco conhecida tem inúmeras atrações, cidades riquíssimas em arqueologia e muita gastronomia regional. E um desses cartões-postais é o restaurante Grotta Palazzese, na região de Polignano del Mare.
A cozinha e as mesas ficam dentro de uma caverna natural, à beira do mar Adriático, ao norte do Mediterrâneo. Entretanto, não é só a paisagem de tirar o fôlego que compensa a ida; peixes, frutos do mar e a carta de vinhos aguçam o paladar.
Esculpida pelo mar nas rochas, a caverna onde funciona o restaurante tem uma longa história, que começa no início do século 18. Na época, o local funcionava como um salão para os nobres da região. Depois, viajantes franceses e britânicos também passavam pelas cavernas durante suas excursões pela Itália. De acordo com o Grotta Palazzese, há relatos antigos desses turistas, descrevendo a beleza do local.
E se depois de terminar a sobremesa você não estiver pronto para deixar o lugar, uma boa notícia: em uma construção de estilo rústico, acima da gruta, funciona um hotel. As diárias nas suítes vão de 90 a 180 euros.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Giro d’Italia sem a Puglia

A Puglia foi excluída do centenário do Giro d’Italia de ciclismo. O giro terá 21 etapas e um percurso de quase 3400 km que partirá de Venezia, passará pelas Dolomiti, Milano, Firenze, Appennini, Benevento, Napoli para acabar em Roma. A região da Puglia lamenta a ausência na corrida ciclística mais importante da Itália. A partecipação no Giro poderia representar para a região uma grande ocasião para mostrar sua capacidade turística. "C’e’ un’Italia che conta e un’Italia che conta molto meno", palavras do conselheiro regional, Beppe Cioce (PD).

Tarantella

A Tarantella é uma dança popular italiana que surgiu do tarantismo - uma histeria coletiva que ocorreu entre os séculos XV e XVII, sobretudo em Galatina (LE). As vítimas de picadas de tarântula se curavam dançando freneticamente e expelindo o veneno pelo suor. Por isso, os passos da tarantella são leves e rápidos. A tarantella clássica pode ser vista todos os anos em junho, em Galatina, durante as festas de São Pedro e São Paulo. A Pizzica, que é uma derivação da tarantella, ganhou força no folclore salentino com o desaparecimento da tarantella. Todos os anos, em agosto, rola, em Melpignano, a Noite da Tarantella.

Teatro Piccinni


O teatro Niccolò Piccinni é o mais antigo de Bari. Depois do incêndio do Petruzzelli ficou sendo o mais importante da cidade. O teatro está na via Vittorio Emanuele II, a mais importante da cidade.

Taxa de turismo (tassa di soggiorno)

Ostuni (BR) é mais um comune que utilizará a "tassa di soggiorno" (taxa de turismo) que se aplica a cada turista que permanece por até 5 dias consecutivos na cidade. Não paga: menores de 12 anos, maiores de 75 e motoristas e guias de turismo que trabalham com turistas. Famílias pagam 50% do valor a partir do 4° filho. Em Puglia, outros comuni já utilizam a taxa: Otranto, Alberobello, Lecce, Rodi Garganico e Melendugno (Torre dell’Orso).

Fontes termais da Puglia

Pela costa pugliese se encontram as melhores fontes termais que dispõem de estruturas modernas e trabalham em parceria com centros de estética e medicina natural. Alguns centro famosos estão em Margherita di Savoia (FG), Santa Cesarea Terme (LE), Savelletri di Fasano (BR), Torre Canne (BR) e Castellaneta Marina (TA).

A montanha mais alta da Puglia


A Puglia é a região mais plana da Itália (e já foi dito isso aqui), mas a Puglia é conhecida pela sua enorme planície chamada 'Tavoliere delle Puglie'. A montanha mais alta da região com 1.152 metros é o Monte Cornacchia (FO).

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Tsunami na Itália


Até hoje, os tsunamis registrados foram todos de magnitude superior a 7.2. Abaixo disso o terremoto não tem força para solevar um grande volume de água. A Itália, desde 79 d.C. sofreu, aproximadamente, 70 tsunamis. A maior parte de baixa intensidade. Os piores nas proximidades das costas da Calabria e Sicilia. No Adriático, em 1627, um tsunami atingiu a costa de Gargano e Manfredonia. Outros maremotos inundaram a costa de Rimini, Cervia, Cesenatico, Pesaro e Ancona. A Ligura é o local onde é mais frequente os tsunamis, quase sempre, de baixa intensidade. O terremoto e, consequentemente, o maremoto mais destrutivo na Itália foi em 1908. Tremores e ondas de 13 metros destruíram as cidades de Messina e Reggio Calabria causando milhares de morte.

Carne de cavalo

Na Itália, cada habitante consome cerca de 1,3 kg/ano, enquanto a média europeia é de 0,4 kg/ano. Em certas regiões da bota como na Puglia o consumo da carne equina chega a 32,2% do consumo nacional. Em seguida vêm Lombardia (14,3%), Piemonte (10,8%), Emilia Romagna (9,2%), Vêneto (7,6%) e Lazio (5,5%).
A carne de cavalo é rica em proteínas como qualquer outra carne, mas com particularidades: um elevado conteúdo de ferro, quase o dobro no confronto com outras carnes, possui baixa quantidade de gordura, pouco colesterol e pouca caloria. Graças a isso, é digerível mais facilmente. Não é a minha carne favorita, mas um carpaccio di cavallo não da pra dispensar.

Via Appia

A Via Appia (Antica) era uma das principais estradas da antiga Roma chamda de a Rainha das estradas. Nome em memória do político romano Ápio Cláudio Cego, que iniciou sua construção em 312 a.C. Ligava Roma a Cápua, numa distância de 300 quilômetros. Depois foi ampliada com a criaçao da via Traiana, passando por Benevento, Taranto, até Brindisi. A primeira organização territorial da Puglia se deu com a abertura dessas duas vias. Poucos são os restos monumentais destes tempos, mas bastam os anfiteatros de Lucena, Canosa, Ordona, Lecce, para atestar o considerável desenvolvimento dos centros urbanos.

Brindisi, capital da Itália

Durante a Segunda Guerra Mundial, Brindisi se tornou a sede do comando aliado no Adriático, ganhando uma importância estratégica considerável. Pagou por este papel com vários atentados. Em julho de 1943, após a prisao de Mussolini, Vittorio Emanuele III foge de Roma em direção ao sul. Brindisi lhe ofereceu abrigo e tornou-se capital da Itália por 6 meses.

Porta do Oriente

Bari era já um florescente porto dos Peucezi, a primeira antiga população itálica na região no século X a.C.; virou um centro, antes, romano e, depois, com a queda do império, bizantino. A cidade é um dos portos mais importantes do império de Constantinopla (sede da frota imperial) e, neste período, si confirma a vocação de Bari, como Porta do Oriente, sede do catapano, alto funcionário da administração bizantina, que será conservado depois, também, pelos espanhóis.

Arquitetura românica


A Puglia é uma das principais regiões para se ver a arquitetura românica. As mais belas igrejas da Puglia estão em Trani, Canosa, Molfetta e Bitonto, próximas entre si; Ruvo di Puglia, San Leonardo di Siponto, na península Gargano; e Martina Franca, perto de Alberobello. O estilo barroco está sintetizado nas fachadas das igrejas em Lecce, na Puglia.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

A ponta do salto da bota


Santa Maria di Leuca é a ponta do salto da bota. Depois de lá é só o mar sem fim. Faz parte de Castrignano del Capo (LE) a 69 de Lecce. Na realidade, a ponta mesmo está na Marina di Leuca (mais ao sul do sul), entre as pontas de Ristola e Mèliso (onde está o farol). A ponta de Mèliso segundo a convensão náutica é a esquina da Itália, o que divide o mar Adriático do Jônico, porém, oficialmente, é o canal de Otranto.

Tintos da Puglia no Brasil

A coluna Jorge Carrara do site "Basílico - a gastronomia na web" volta a falar dos vinhos da Puglia.

Tintos da Puglia em conta no Brasil

Rótulos do sudeste da Itália aportam aqui com custo-beneficio imbatível

Os tintos da Puglia voltam à coluna. Motivos não faltam. Afinal, no quesito custo-beneficio, os vinhos daquele canto do sudeste da Itália, são praticamente imbatíveis frente ao resto dos exemplares da Bota que aportam no Brasil.
Os últimos que passaram por aqui, os da  Apollonio, eram oriundos de uma casa tradicional, com antigas raízes na área. Os de hoje, pertencem à outra ala importante na alta dos goles finos do lugar: empresas  de outras províncias vinícolas que fincaram o pé lá atraídas pelo potencial da região.
O primeiro, o Paiara, está assinado pela Tormaresca, da Antinori, renomada casa da Toscana e criadora de ícones da Bota, como Tignanello e Solaia, que produz tintos e brancos de ponta do norte (como os Montenisa, em Franciacorta ou  os Prunotto, no Piemonte) ao sul do país. Da Tormaresca surgem rubros densos e estruturados, como o Bocca di Lupo, um tremendo Aglianico, e outros mais simples, porém, agradáveis (no copo e no bolso) tal como o Paiara.
O segundo, o Sud, foi elaborado pela Feudi di San Marzano, uma parceria da Farnese Vini, do Abruzzo (dona por lá de belos Montepulciano e proprietária, na Campania, da Vesevo, vinícola com um bom repertório de tintos e brancos) com a Cantina San Marzano, uma cooperativa local.

Paiara 2009
Combina na sua fórmula uma cepa autóctone, a Negroamaro (sem dúvida uma das estrelas rubras daquelas bandas) com Cabernet Sauvignon.  Tem um perfil mais leve, pouco habitual nos tintos da Puglia.
Ameixas aparecem junto a toques de geleias no aroma e no sabor. Ele é um vinho redondo, sem arestas, saboroso e elegante para sua categoria, boa escolta para massas com molho de tomate (86/100, R$ 27,90).

Feudi di San Marzano Sud Malvasia Nera  2009
Oriundo do Salento, extremo sul da região, é uma boa oportunidade de provar um Malvasia Nera, difícil de encontrar como varietal. Amadureceu 4 meses em barricas de carvalho francês.
Mescla compotas (ameixas) com toques de madeira num paladar com taninos firmes, mas que não agridem. Boa pedida para acompanhar assados e queijos meia cura. (87/100, R$ 26,90).

Allende e os italianos

No livro "Guia Poliicamente Incorreto da América Latina os autores publicaram uma descrição dos italianos do sul feita pelo ex-presidente chileno, Salvador Allende, que diz: "os italianos do sul, em oposição aos do norte, e também os espanhóis têm propensão aos crimes passionais de forma bárbara e primitiva e são emocionalmente irresponsáveis".

Puglia voa ao Brasil

Mês passado, a Puglia mandou ao Brasil empresas aeroespaciais em busca de oportunidades comerciais. A Puglia é líder, com a Umbria, no setor. A missão pugliese passará por São Paulo, São José dos Campos, Curitiba, Santos e Belo Horizonte. Voa voa!

Regras de verão


Verão com novas e velhas regras. Llimite de 200 m da costa onde é possivel somente nadar. Pedalinhos, jetsky e canoas só poderão entrar em água através os "corredores de lançamento" (áreas próprias para isso) e transitar depois do limite de 200 m. O banho nas zonas portuárias é proibido. Pesca (de superfície) somente além do limite de 300 m. As regras servem para todos, quem curte e trabalha na praia. Para os comuni, poucas regras. A mais importante é que o serviço de salva-vidas não é obrigatório. Basta colocar um aviso em 4 línguas informando a ausência do serviço.

As cidades montanhosas da Puglia

Uma lei regional pugliese de 1999 inventou a possibilidade de inserir no grupo dos comuni montani (montanhosos) os seus vizinhos também. Os comuni montani têm seus privilégios e financiamentos especiais. Com essa alteração na lei, a Puglia passou a ter 63 comuni montani. O curioso é que a Puglia é a região com o relevo mais plano da Itália.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Cassano: orgulho e vergonha da Puglia

Antonio Cassano é um filho da Puglia. Precisamente de Bari. Mais precisamente ainda, de Bari Vecchia. De família pobre se destacou no A.S. Bari e ganhou o mundo: Roma, Real Madrid, Genova e Milano. É o orgulho e a vergonha da Puglia. Seu comportamento "porra louca" dentro e fora do campo é consequência da sua história de vida. 

Colega não é amigo

Colega não é amigo. Amigo é aquele que está perto, mesmo longe. Colega está naquele momento fisicamente perto, mas está longe. Colega fala mal. Se pode salvar-se te colocando na merda... certamente vai fazer. No mundo do trabalho é, quase sempre, assim. Colega é um inimigo.

Médico de família

O médico de família é um médico geral. Que tem, como máximo, 1500 pacientes. Horário de abertura varia muito. Visitas domiciliares são muito comuns. Muitas vezes, o médico de família é um fornecedor de receitas. Todavia, é um sistema que às vezes funciona muito bem.

Bari antiga


Bari Vecchia é a cidade antiga, a parte histórica da cidade cercada pela antiga muralha. A Basílica de San Nicola é o Castello Normanno-Svevo são as grandes atrações do centro. Bari vecchia é também conhecida pela sua insegurança. Apesar de receber muitos turistas dos cruzeiros que atracam no porto, não é uma zona rica e o governo não se faz presente. Resultado: a máfia e os pequenos assaltos reinam.

Frutos do Mar em Monopoli

Perricci, em Monopoli (BA), é um restaurante de frutos do mar muito (mas muito) simples. Sempre cheio. Não se paga muito e se come razoalvemente bem e muito. Há poucos metros, se encontra a concorrência: La Trattoria da Pierino Inglese. São quase iguais. Mas eu prefiro Perricci.

Bamboccioni

Antes de falar dos bamboccioni, tenho que falar da crise, da dificuldade de arrumar trabalho (que dure mais de 3 meses) e de ter um bom salário. Tenho que falar também dos pais super-protetores, que nao cobram, que não obrigam e não sabem dialogar com os filhos. Agora sim, podemos falar dessa espécie: bomboccione. Esse ser é uma criação de tudo isso que foi dito antes e da sua própria personalidade. É muito cômodo chegar a uma certa idade e ter onde dormir, comer e não ter grandes responsabilidades. A culpa é sempre dos outros, do mundo e da vida injusta. Injusta com quem?

Ferragosto

Ferragosto é a festa que cai no dia 15 de agosto. Assunção de Maria e o dia mais quente do ano (um dia foi). Dia que todo o mundo sai de casa para passar o dia fora. Uma viagem ou um passeio que dura um dia. Praias, parques ou montanhas (para fugir do calor). Com direito a muita comida. Seja na ida ou na volta, o transito é sempre caótico. 

Pelada é coisa séria

Lembro do futebol que eu jogava com os meus amigos no Brasil. A famosa pelada. Sem árbitro. Sem goleiro fixo. Sem camisa. Um time com mais jogadores do que o outro no decorrer da partida. Uns saíam. Outros se machuvam. Outros trocavam de time. Uma zona. Por aqui, quando joguei percebi que os carinhas levam a coisa muito a sério. Parecia final da copa. Árbitro uniformizado. Chuteiras de trava, caneleiras e coletinho fosforescente. No vestiário, bolsao de jogador profissional, roupão e chinelinho antiderrapante. Tapetinho para pisar depois de enxugar os pés e, para finalizar, secador de cabelos. É troppo per me.

O mar de Poligano a Mare


O mar de Poligano a Mare (BA) é realmente um espetáculo (principalmente para admirar). Não é a toa que ganhou Bandiera Blu desde 2008. Não é a toa que Red Bull sediava seu evento de saltos ali. A praia central (Lama Monachile) entre duas paredes altas e rochosas poderia ser uma location de cinema típica do filme "O Seresteiro de Acapulco" (1963), protagonizado por Elvis Presley.

Mongolfiera em Molfetta

Em Molfetta (BA), tem o Gran Shopping Mongolfiera. É pequeno e não tem nada de especial, mas nada que comprometa. Tem um Decathlon perto também. A coisa boa é que é perto do Molfetta Outlet Fashion District (3 km). Saindo de um pode dar uma passada no outro. No outro lado da tangenziale.

A grande feira de Bari


Fiera del Levante é uma das principais feiras do mediterrâneo, além do nome do local que recebe o evento. Perto do porto, a Fiera ocupa uma área de 300 mil onde expositores promovem um intercâmbio entre mediterrâneo, Europa e oriente.
A feira é realmente grande, mas repetitiva. Basta vê-la uma vez.

Orla de Bari





A orla de Bari foi inaugurada em 1927 e tem 15 km de extensão do centro até a Fiera del Levante. Com edifícios do século XIX e do período fascista: Palazzo della Provincia e L'Albergo delle Nazioni.

Sonho dos italianos

O que voce está fazendo aqui? Eu voltaria para o Brasil e abriria um bar na beira da praia e ficaria ali olhando aquelas bundas que passam pra lá e pra cá.
Esse é um discurso que ouço, frequentemente, dos italianos de vários niveis, formações e idades. Infelizmente esse é o sonho do italiano. O Brasil para italianos.

O santo do dia

Algumas pessoas festejam com mais intensidade o onomástico que o aniversário. Se o santo do dia tem o seu nome é o seu onomastico. A tradição é que te darão os parabéns como se fosse o teu aniversário e você deve oferecer, por exemplo, cornetto aos seus amigos do trabalho ou da escola. Católico ou nao, todos fazem (sem pensar). A tradição católica está na cultura italiana.

Mulheres que (não) trabalham

Vejo muitas mulheres e mães que nao trabalham por opção e por diversos motivos. Mas como razão principal é aquela que o marido é o chefe da família e é ele que traz o dinheiro para a casa (raciocínio dos anos 30). A mulher (mãe) cuida dos filhos e da casa. Acho justo que nos primeiros meses/anos a mãe queira (deva) ficar com o filho, mas depois de alguns anos o filho será do mundo. E a mãe como fica? Em casa. Tem muito trabalho. Depende da casa e do uso que se faz dela. Estamos em 2012. Direitos iguais e responsabilidades também. Pai não é banco e mãe nao é assistente. Se os dois trabalham terão mais recursos econômicos e experiências para passar ao filho que entenderá que os pais estão ausentes porque estão trabalhando e que daqui a pouco vão chegar. Esse assunto è longo...

Ligações perigosas

Seja em Bari ou em província todos se conhecem. Impressionante. Fazem ligações e colegamentos físicos, familiares, fofocas e fatos. Fulano, filho de beltrano que se casou com a irmã da cunhada do padeiro que um dia vendeu leite estragado a um pescador que morreu de tuberculose. São mais potentes que o Deep Blue (da IBM) e kasparov juntos. Conseguem fazer uma árvore genealógica em poucos segundos.

Castelo de Bari


O Castello Normanno-Svevo di Bari é um dos símbolos históricos da cidade e da região, na città vecchia. Do ano 1132, passou por muitas reformas e por muitas famílias, imperadores e reis. Hoje é sede da superintendência que cuida dos bens ambientais, arquitetônicos e históricos da Puglia.

Sorvete em Mola di Bari

Um dos sorvetes preferidos no sudeste barese é do L'Arte del Gelo (ou gelato da Mario) em Mola di Bari. Agora também em Conversano, Rutigliano e, em breve, em Polignano a Mare e Monopoli. Como diz o letreiro "L’arte dei pazzi… per colpa del Gelo", o menu é vasto e diverso. Até para quem é intolerante ao leite, glúten e açúcar. Tudo artesanal.